quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Fazendo Meu Filme 1 - A estreia de Fani - Paula Pimenta


Sabe quando a gente vê um livro e se apaixona a primeira vista? Foi bem isso que aconteceu quando eu vi esta preciosidade pela primeira vez em 2011, creio eu. Na época fiquei louca para comprá-lo mas, eu tinha outras prioridades e acabei deixando pra lá.
Esse ano na feira do livro da USP eu acabei levando a série inteira pra casa ♥ (Pensem na minha felicidade =D, eu tinha livros para as férias inteira!). Imaginei que realmente leria todos os eles antes das aulas recomeçarem mas, o estágio absorve boa parte do me tempo e eu não tive o recesso dos meus sonhos hahahahaha. Enfim, aproveitei as poucas horas livres para dar início a leitura e me envolvi completamente.
Eu sou fã da Meg Cabot desde a pré-adolescência e a Paula se tornou minha Meg brasileira. Com toda a certeza terei todos os seus livros na minha estante e farei com que minhas filhas (ok, me senti a velha escrevendo isso) leiam ambas.
Agora chega de lero-lero e vamos ao que importa.


FMF 1 é o primeiro livro da série que é composta por 4. É nele que somos apresentados a Fani (Estefânia), uma mineirinha de BH de 16 anos que ama filmes e sonha em ser uma grande cineasta, sua família, seus amigos e sua paixão secreta. No decorrer da história ela tem a chance de participar de um processo seletivo para intercâmbio e vivenciamos as mudanças que ocorrem em sua vida com essa possibilidade.


A história é fantástica e se torna impossível você não se imaginar na pele da Fani. Eu por exemplo, inspirada por ela, criei um caderninho onde estou catalogando todos os filmes que vejo, anoto as citações e coloco estrelinhas de acordo com minha satisfação. Além disso, me dispus a ver TODOS os filmes que aparecem no livro (na primeira página tem a lista de DVDs da Fani) e a aumentar minha coleção (estou aceitando doações hahahahaha).


Aspectos físicos: A capa de um livro pode não dizer simplesmente nada sobre ele, mas, eu confesso que é uma coisa que me atrai e muito. FMF 1 tem uma capa linda, as imagens escolhidas remetem exatamente à personagem e além de tudo, fica tão fofo na estante . São 327 páginas, 55 capítulos curtos e sempre são iniciados com uma citação que faz referência ao que esta por vir, as páginas são branquinhas e a diagramação (margem, fonte e espaçamento) é perfeita.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Cartas Extraviadas - Martha Medeiros


 

Acho que todo mundo conhece a Martha ou pelo menos já leu algo dela por ai.
Eu confesso que ainda que muitas das minhas paixões foram alimentadas com os textos dela, eu efetivamente fui apresentada a autora na Bienal do Livro pela Beea ♥ (te extraño cochina) através do livro Divã no ano passado?, não lembro hahahahaha. A partir dai, foi só amores.

Pra quem duvida da minha opinião, fiquem com a do Caio F. Abreu: “A poesia da Martha acontece o tempo todo, do lado de dentro ou de fora da gente. Por ser poeta, ela consegue captá-la e dar-lhe a mais sensível e contemporânea das formas. Então, comove.”


Cartas Extraviadas, é uma coletânea de escritos da Martha Medeiros, são 108 poemas e 5 cartas que foram escritas mas não foram enviadas ao seu destino. Vou confessar que me identifiquei muito com essas cartas. Eu vivo escrevendo coisas endereçadas a certas pessoas mas, que são escritas para não chegarem ao seu destino também.



O livro é um pocket ♥ (love it) publicado pela LPM e os aspectos físicos e gráficos são muito bem cuidados. A capa traz uma estante com objetos que fazem referências aos contos.

O poema que mais gostei (meldels como foi difícil chegar a esta escolha) foi esse:

o que me prejudica
é essa mania de dizer a verdade
quando deveria mentir
e fingir que estou à vontade
quando na verdade machuca


E este é um trechinho da carta que mais me encantou ♥: 

"Pra mim e pra você, escrevo que, daqui de onde me encontro, você está longe e perto, e eu estou sozinho e não. Do que sinto, aviso que é forte mas não é perigoso, é como um grande lado sereno, eu sou o píer, quase me precipito, você é todo o resto, toda água, tudo o que há. Mas somos dois e em vez de par, somos ímpares. Estou possuído por você e ao mesmo tempo permaneço impermeável, amo a seco, e rendido."